Marina Silva
Marina Silva (Foto: Reprodução/Facebook)

Candidata à presidência nas próximas eleições, pela Rede, Marina Silva vai defender que o casamento entre pessoas do mesmo sexo deve ser protegido por lei, lista em uma das suas diretrizes programáticas, protocoladas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta terça-feira (14).

“O Conselho Nacional de Justiça regulamentou a celebração de casamento civil de pessoas do mesmo sexo, através da Resolução 175/13. Acataremos a demanda de que os direitos decorrentes dessa decisão sejam protegidos por lei”, diz o texto.

LEIA MAIS:


Bolsonaro nega acenar para famílias homoafetivas em programa de governo

Mulher trans é agredida por seguranças de evento no CE por usar banheiro feminino

Silva também defende a adoção de crianças por casais homoafetivos. “Em casos de adoção, defendemos que seja oferecido tratamento igual aos casais adotantes, com todas as exigências e cuidados iguais para ambas as modalidades de união, homo ou heteroafetiva, atendendo à prioridade de garantir o melhor interesse da criança.”

Vale lembrar que o mesmo tema se tornou polêmico durante a campanha de Marina, nas últimas eleições, em 2014. Na época, ela foi bastante criticada pela comunidade LGBT ao retirar do programa de governo as propostas que favoreciam esta minoria, ao ceder à pressão de frentes evangélicas. A atitude causou muita desconfiança do eleitorado e causou protestos das alas tanto conservadora quanto da progressista.

1 COMENTÁRIO

  1. Sem entrar em discussão sobre o aspecto político, não se pode confiar em alguém que primeiramente defende que em casos de loitígio entre terras de proteção ambiental e frentes de expansão do agronegócio priorize-se a ecologia e depois reverte seus pontos de vista; primeiramente defende as uniões homoafetivas e depois cede a pressões de grupos hipocritamente conservadores. Assim como foi um deslate que a ex-presidenta Dilma Roussef tenha retirado dos programas curriculares de escolas públiocas uma cartilha falando sobre os direitos da população LGBT aprovada pela UNESCO ´para que a baqncada evangélica aceitasse que um de seus assessores fosse julgado por corrupção.

DEIXE UMA RESPOSTA