Papa Francisco e primeiro-ministro da Irlanda Leo Varadkar
Papa Francisco e primeiro-ministro da Irlanda Leo Varadkar (Foto: Papa Francisco e primeiro-ministro da Irlanda Leo Varadkar)

Em sua passagem por Dublin, na Irlanda, neste fim de semana, o Papa Francisco foi recebido por manifestantes pró-LGBT. Milhares de pessoas saudaram o líder da igreja Católica com guarda-chuvas nas cores do arco-íris. Representantes convidados para o Estado de boas-vindas ao pontíficie no Castelo de Dublin com o primeiro-ministro Leo Varadkar.
No encontro, Varadkar – que é abertamente gay – fez um discurso no qual mencionou o casais LGBT e condenou o escândalo de abuso da Igreja Católica. “Nós votamos em nosso parlamento e por referendo para modernizar nossas leis – entendendo que os casamentos nem sempre funcionam, que as mulheres devem tomar suas próprias decisões, e que as famílias vêm em muitas formas, incluindo aquelas chefiadas por um avô, pai solteira ou mesmo – pais ou pais que são divorciados”, afirmou o político.

“Com base em nossa história entrelaçada e aprendendo com nossos erros compartilhados, pode ser um em que a religião não está mais no centro de nossa sociedade, mas na qual ela ainda tem um lugar importante.”

LEIA MAIS:

Aliado da causa LGBTQ, senador americano John McCain morre aos 81 anos


Dossiê relata números de lesbocídios no Brasil

Ao tomar a palavra, o papa lamentou o escândalo envolvendo abuso infantil dentro da igreja. “Não posso deixar de reconhecer o grave escândalo causado na Irlanda pelo abuso de jovens por membros da igreja encarregados de sua proteção e educação – eles ainda estão em meu coração”, declarou.

“O fracasso das autoridades eclesiásticas – bispos, superiores religiosos, sacerdotes e outros – em lidar adequadamente com esses crimes repelentes causou justamente indignação e continua sendo uma fonte de dor e vergonha para a comunidade católica. Eu mesmo compartilho esses sentimentos”, completou.