LGBTfobia
LGBTfobia (Foto: Reprodução)

O Dossiê sobre Lesbocídio no Brasil recém-lançado traz dados alarmantes sobre a morte de mulheres em crimes relacionados à sua orientação sexual. De acordo com dados levantados entre 2012 e 2017, 126 mulheres homossexuais foram assassinadas e 33 cometeram suicídio.

O documento produzido pelas pesquisadoras e professoras Milena Cristina Carneiro Peres, Suane Felippe Soares e Maria Clara Dias é o primeiro a título nacional a tratar exclusivamente das violências cometidas contra lésbicas. A pesquisa segue em andamento, desenvolvida pelo Núcleo de Inclusão Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pelo Nós: Dissidências Feministas, também ligado à UFRJ.

LEIA MAIS:


TV britânica lança primeiro reality show dedicado aos bissexuais

Atriz trans interpreta Roberta Close em filme sobre Hebe

O homicídio de Luana Barbosa, mulher negra, lésbica e moradora da periferia de São Paulo que morreu após ser espancada por policiais militares, em 2016, foi o estopim para a criação do grupo Lesbocídio – As histórias que ninguém. Os policiais envolvidos em seu assassinato só foram indiciados pelo crime em abril de 2018.

Durante os estudos, as pesquisadoras tiveram que se apegar aos fatos noticiados pela mídia e informações fornecidas pela população, devido a falta de dados oficiais das vítimas.  O termo utilizado para se referir a essas mortes, “lesbocídio”, foi cunhado pelas professoras a partir da palavra “feminicídio” e se refere às mortes ocasionadas por lesbofobia.

2 COMENTÁRIOS

  1. Enfim damo-nos conta de que o covarde assassinato de seres humanos por sua orientação sexual é uma tyriste realidade. O que mais me entristece é que em breve veremos comentários – e deixo meu protesto aos moderadores que permitem a publicação dos mesmos – de que “gostaria de saber quantas destas mulheres foram assassinadas em crimes que nada têm a ver com sua orientação sexual.” Todo ser humano tem de ser respeitado na sua integridade, física e moral.

  2. É importante tratar deste assunto tão APAGADO. Infelizmente a invisibilidade lésbica é frequente. A existência de dossiês e artigos que retratam sobre o que está por trás de ser lésbica são importantíssimos!

DEIXE UMA RESPOSTA