bandeira lgbt
Bandeira LGBT (FOTO: Reprodução/Internet)

Cerca de 400 pessoas se inscreveram supostamente de maneira voluntária para receber uma terapia desacreditada e prejudicial de reversão sexual, a chamada ‘cura gay’, em Gana. O Fórum tem adminstração Coalizão Nacional pelos Direitos Sexuais Humanos e Valores Familiares.

O líder Moses Foh-Amoaning disse que homens e mulheres procuraram o aconselhamento por livre e espontânea vontade e ainda anunciou planos para abrir uma “Unidade Holística de Terapia Sexual” em um hospital de ensino em Acra.

LEIA MAIS:


Agressões durante assalto deixa transexual desacordada em MT

Kevin Spacey recebe nova acusação de assédio sexual

Foh-Amoaning também afirmou que líderes religiosos e pessoas versadas em “medicina tradicional” tratariam o povo LGBTI por sua “doença”. “Vamos tornar nossa punição corretiva em vez de punitiva”, disse ele.

Vale lembrar que a homossexualidade é considerada crime no país africano podendo levar pena de até três anos de prisão.

1 COMENTÁRIO

  1. Gana, par a outros países africanos, penaliza o homossexualismo. Não é de se admirar que estas pessoas tenham buscado a “cura”: melho ser uma pessoa reprimida, a ser preso. O que me surpreende é o fato de que muitos ainda apoiem uma prática condenada pelas IPA (international Psychiatric Association), IPS (International Psychoanalysis Society), IAPS (International Analitical Psychology Society) e pela própria WHO (World Health Organization).

DEIXE UMA RESPOSTA