Ginecomastia
Ginecomastia (Foto: Reprodução/Google)

A hipertrofia mamária ou ginecomastia ocorre em homens e tem como característica o crescimento anormal das mamas. Pode ocorrer em todas as faixas etárias, desde recém-nascidos até adolescentes e adultos. Ao contrário do que muitos pensam, a alteração da ginecomastia pura ocorre devido ao excesso de tecido mamário e não pela gordura. Quando o aumento se deve apenas à gordura, é chamado lipomastia ou pseudoginecomastia. A maioria dos casos é mista, com glândula e gordura.

A ginecomastia atinge cerca de 30% dos homens, e quem mais sofre são os adolescentes de até 15 anos. Isso acontece em razão do aumento atrasado de testosterona em relação à quantidade de estrogênio que aparece na puberdade. Nos recém-nascidos, ocorre por conta do contato com o estrogênio da mãe durante a gestação, mas, nesses casos, o problema costuma se resolver de forma rápida.

Para o cirurgião plástico André Colaneri: “nos casos crônicos o tratamento mais adequado é a cirurgia plástica,  que vale também para as situações em que os medicamentos e tratamentos não deram o resultado esperado.”


Além da aparência que incomoda os homens, a ginecomastia pode causar dores. Os principais sintomas são: Acúmulo de volume (gordura e/ou glândula) na região; Sensibilidade nas mamas; Dor nas mamas. Porém, o maior problema pode ser a autoestima do homem, que fica baixa por conta da aparência.

LEIA MAIS:

Gays e mulheres são mais passíveis a sofrer assédio em viagens a trabalho, afirma pesquisa

Nicki Minaj causa polêmica após fazer comentário considerado homofóbico

A ginecomastia é classificada em 3 graus. O primeiro grau é quando o aumento da glândula está restrito na região abaixo das aréolas. O segundo grau é quando o volume acomete toda a mama. Geralmente é associado também com o aumento da gordura. O terceiro grau é aquele em que o homem possui muita flacidez e um enorme excesso de pele, ficando a aréola abaixo da dobra das mamas. Nesse caso, além da retirada da gordura e da glândula, é necessária a retirada da pele em excesso.

Segundo o Dr. André Colaneri, o câncer mamário nos homens é muito raro, mas quando ocorre não é necessariamente por conta da ginecomastia, embora haja alguns casos.
Outra dúvida que atinge os homens é a questão de desenvolver o problema em apenas uma mama. Segundo o cirurgião plástico, isso é raro, mas acontece em menor frequência do que a bilateral. Em caso de uma mama apenas crescer rapidamente, deve-se pesquisar a possibilidade de câncer de mama.

Não existe um tratamento para evitar o problema, mas é possível resolvê-lo com cirurgia e, dependendo do caso, até mesmo tratamentos clínicos. Infelizmente, não é possível acabar com a ginecomastia apenas fazendo exercícios físicos. O conselho é sempre procurar um especialista.

Para mais informações, acesse: http://www.cirurgiaestetica.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA