O candidato ao governo da Pensilvânia Scott Wagner
O candidato ao governo da Pensilvânia Scott Wagner (Foto: Divulgação)

O candidato republicano pelo governo da Pensilvânia, Scott Wagner, fez comentários transfóbicos em recente discurso, enquanto falava com os constituintes em Zelienople, na semana passada. Wagner questionou sobre a lei que permite que as pessoas usem o banheiro que corresponde à sua identidade de gênero.

É bem simples: se você nasceu com encanamento masculino, você usa o banheiro masculino. Se você nasceu com encanamento feminino, use o banheiro feminino”, afirmou ele sendo ovacionado pelos presentes.

Apesar dos aplausos, o parlamentar recebeu muitas críticas pela fala, e na última segunda-feira (20) se defendeu dizendo ter sido pego de surpresa, além de relatos que dão conta que ele disse no evento que consideraria um projeto de lei que torna ilegal o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Pensilvânia.


LEIA MAIS:

Senado da Califórnia aprova Projeto de Lei para proibir “cura gay”

Kevin Spacey recebe nova acusação de assédio sexual

O seu porta-voz Spokesperon Andrew Romeo respondeu que Wagner “vetaria qualquer projeto de lei que restringisse os direitos de casamento para casais do mesmo sexo”.

Entretanto, a campanha de Direitos Humanos respondeu aos comentários de Wagner, principalmente sobre uma conta de banheiro. “As observações perigosas de Scott Wagner mostram um alarmante desrespeito pela decência humana fundamental”, disse Chris Sgro, diretor de comunicações da HRC.

“Esse é o mesmo tipo de propaganda profundamente discriminatória usada na Carolina do Norte durante a agora infame briga HB2 que infligiu um tremendo dano ao povo, à reputação e à economia do estado. As pessoas justas e trabalhadoras da Pensilvânia merecem melhor do que isso de seus líderes. É crítico que os eleitores se manifestem em novembro para rejeitar a política divisiva de Scott Wagner e reeleger o governador Tom Wolf – um homem que está trabalhando incansavelmente para garantir que cada indivíduo seja capaz de trabalhar e viver livre de discriminação e assédio”, completou