bandeira lgbt
Bandeira LGBT (FOTO: Reprodução/Internet)

Um afegão de 18 anos que pediu refúgio a Áustria, teve a solicitação negada pelo escritório de estrangeiros em Viena. Alegando sofrer perseguição por ser homossexual, o órgão concluiu que ele não parecia ser gay o suficiente para ter o clamor atendido. As informações são da revista austríaca Falter.

“A maneira de caminhar, sua atitude e sua forma de se vestir não dão a entender em absoluto que possa ser homossexual. Ao não sê-lo, não tem nada a temer se retornar ao Afeganistão“, diz o relatório.

Outro fato considerado como impeditivo pelos funcionários austríacos seria uma briga que o jovem teria tido com outros rapazes, conduta que “não se espera de um homossexual”.


LEIA MAIS:

Criadora de Steven Universo revela dificuldades para inserir casal lésbico na série: “Fui avisada que o desenho não poderia ter conteúdo gay”

Escola é fechada após pais sugerirem castrar garota trans que utilizou banheiro feminino

O texto ainda elenca outros fatores que, segundo eles, não são compatíveis com o comportamento homossexual, como “ter poucos amigos” e gostar de sair sozinho ou em grupos pequenos, quando na opinião dos avaliadores, “os homossexuais são mais sociáveis”.

O órgão também desconsiderou o motivo dele afirmar que beijou outros garotos que não fossem gays, porque, se fosse verdade, “teria levado uma tremenda surra”. O afegão, que não teve a identidade revelada, recorreu da decisão.