Mãe entrou na justiça contra escola que não aceitou filho com cabelos longos
Mãe entrou na justiça contra escola que não aceitou filho com cabelos longos (Foto: Reprodução/TV Globo)

Uma família de Brasília entrou com uma ação judicial contra uma escola, após um menino de 11 anos se sentir obrigado a mudar de escola, pela instituição não aceitar o fato dele optar por utilizar os cabelos longos, por causa de uma promessa. As informações são do G1.

De acordo com Alessandra Oliveira, mãe da vítima, o Colégio Adventista de Planaltina começou a fazer pressão para que Luiz Phelipe Oliveira cortasse os cabelos antes das férias de julho e chegou até a mandar uma notificação para os pais informando que o filho não poderia continuar frequentando as aulas com aquele comprimento capilar.

“Quando ele voltou das férias, começaram novamente [a reclamar]. Porque antes de eu receber a notificação, estavam indo diretamente nele para falar: ‘Olha, aqui não pode cabelo comprido. Você tem que cortar’. Ele chegava em casa muito chateado”, relatou ela.


Alessandra apontou ainda que o tamanho do cabelo da criança não foi empecilho para ele se apresentar no coral da escola e também participar de uma peça como Jesus. “Naquele momento ele foi útil para a escola. Agora, não é mais e tchau”, reclamou.

LEIA MAIS:

Johnny Hooker critica cancelamento de show na Parada de Teresina: “Não foi decisão minha”

MP investiga denúncia de corrupção na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo

Luiz Phelipe também declarou que não pretende cortar os cabelos. “Eu gosto muito do meu cabelo do jeito que ele está. Não quero cortar meu cabelo e tem muita coisa muito mais importante na escola do que eu que tenho cabelo grande.”

Em nota, a escola afirma ser contra qualquer tipo de discriminação e que o corte curto dos cabelos dos alunos do sexo masculino fazem parte do código disciplinar previamente acordada com a mãe no ato da matrícula do aluno.