PrEP
PrEP (Foto: Reprodução/Internet)

Disponível desde janeiro de forma gratuita na rede do Sistema Único de Saúde (Sus), a Profilaxia Pré-Exposição ao vírus HIV, a PrEP, tratamento que evita a infecção e foi prescrita para 2.748 pessoas que haviam iniciado o procedimento em 38 serviços de 22 cidades, de acordo com informações do Ministério da Saúde.

78,9% dos usuários que costumam usar o medicamento estão os homens que fazem sexo com homens. Dentro do universo LGBT, mulheres transexuais aparecem com 1,8%, travestis em 0,4% dos pacientes e homens trans, 0,3%. A pasta ainda revela que 77% das pessoas sob PrEP afirmaram ter mais de 12 anos de estudo formal.

A proposta do  governo é que a PrEP seja oferecida às populações que estão em situações de vulnerabilidade, como gays de baixa escolaridade, pessoas trans e profissionais do sexo. A saúde investiu inicialmente R$ 8,6 milhões para aquisição de 3,6 milhões de comprimidos com o propósito de atender cerca de 7 mil pacientes. Porém, apenas 2,8 mil foram utilizados, restando cerca de 4,2 mil.


LEIA MAIS:

Marina Silva defende que casamento homoafetivo se torne lei em programa de governo

Adriane Galisteu ganha bordão “Cadê a POC?” em novela e movimenta redes socias

Também conhecido como Truvada, o medicamento consiste na combinação das substâncias Emtricitabina e Tenofovir e é indicado para homens que fazem sexo com outros homens, transexuais, profissionais do sexo, profissionais de saúde que convivam com a exposição ao vírus HIV e casais sorodiscordantes: quando apenas uma das partes é diagnosticada como soropositiva.  

Os interessados em iniciar o tratamento com a PrEP devem ser maiores de 18 anos e fazer testes que indiquem que não carreguem o vírus no sangue, além de demonstrar disposição para manter o tratamento por um determinado período. Não é recomendado, também que se abandone o uso de preservativos.

DEIXE UMA RESPOSTA