Funcionária do Starbucks
Starbucks (Foto: Divulgação)

A rede de cafés Starbucks anunciou recentemente que irá custear o processo de transição, incluindo as cirurgias de redesignação sexual, para os seus funcionários e funcionárias transgêneros que trabalham nas unidades dos Estados Unidos.

A empresa também pretende arcar com as despesas médicas que não são cobertas pelo plano de saúde, como redução ou aumento de mama, remoção de pelo ou transplantes e a cirurgia de feminilização facial. A marca ainda assegura que o seguro oferecido aos seus empregados seja assistido da melhor forma com esse tipo de atendimento.

LEIA MAIS:


Reino Unido lança plano que proíbe terapias de “cura gay”

Movimento propõe mudança da sigla LGBT para torná-la mais inclusiva

A vice presidente da área de benefícios da Starbucks, Ron Crawford, explicou o motivo para a iniciativa. “Este não é apenas o desejo da empresa em ser mais inclusiva. Descobrimos em conversas com parceiros trans sobre o como isso seria benéfico e os ajudaria a serem quem são. Como companhia, pensamos em equidade. Adoraríamos ver mais empresas tendo esta atitude”, afirmou ela ao Pink News.

O novo plano é uma parceria do conglomerado de restaurantes em parceria com a Associação Profissional Mundial para Saúde Transgênera (WPATH). “O Starbucks não tem medo de enfrentar a questão ou demandas para que seus funcionários tenham uma saúde melhor e possível. Pensamos juntos em uma lista de possibilidades essenciais como feminilização facial e eletrólise”, ressaltou o representante da companhia Jamison Green.