A mulher trans Kamylla Roberto
A mulher trans Kamylla Roberto (Foto: Reprodução/Facebook)

O principal suspeito do assassinato de uma mulher transexual em Itapema, localizada a 66 km da capital Florianópolis, Santa Catarina, E. M. foi preso em caráter preventivo, nesta terça-feira (10).

A detenção foi decretada pelo juiz da Vara do Tribunal do Júri da Capital, Marcelo Volpato de Souza. O pedido da prisão foi feito pelo delegado da delegacia de Homicídios, Ênio de Oliveira Mattos, para o acusado ser interrogado em breve.

Everton é suspeito da morte de Kamylla Roberto, de 30 anos, no último dia 06 de junho. A vítima foi encontrada morta, possivelmente a golpes de barra de ferro, dentro do apartamento onde morava no Norte da Ilha.


O corpo foi encontrado por uma amiga de Kamylla que acredita que pelos vestígios deixados no imóvel onde o homicídio aconteceu, todo o ocorrido foi feito por muito ódio.

LEIA MAIS:

Estudante de direito gay morre em tentativa de assalto de reduto LGBT em São Paulo

Estudo revela que filhos criados por pais gays não sofrem com desenvolvimento psicossocial

“Eu senti falta dela na quinta-feira porque desde o dia anterior ela não respondia as mensagens e isso nunca acontecia. Fiquei preocupada, fui ao prédio, falei com a dona do apartamento que pegou a chave e quando abrimos a porta Kamylla estava no chão, morta. Ela estava namorando há pouco tempo, mas eu não o conhecia. Não sei por que fizeram isso com ela, foi um crime com muito ódio”, disse a amiga em entrevista para o jornal local Notícias do Dia.

A polícia ainda não sabe a motivação do assassinato. E só vai ter a certeza após interrogar o suspeito. Por enquanto, Everton Menegildo aguarda no sistema carcerário para ser chamado a prestar depoimento.

DEIXE UMA RESPOSTA