A drag queen Aretuza Lovi
A drag queen Aretuza Lovi (Foto: Divulgação)

A drag queen Aretuza Lovi contou sobre a infância difícil que sofreu por ter um pai altamente homofóbico que não aceitava o seu jeito afeminado, em entrevista ao Notícias na TV. Ela teve que fugir de casa para fugir dos episódios de discriminação.

“Eu tive uma infância muito difícil ao lado do meu pai. Ele, percebendo que eu já era uma criança afeminada, começou a me repreender e me tratar com agressões desde muito pequeno”, lembrou.

As situações homofóbicas pioraram ainda mais. “Sofri agressões físicas e verbais. Ele falava para eu parar de ter comportamento de menina. Só que isso não é uma opção, é uma condição de vida. Nasci dessa forma. Fui muito agredida por meu pai, passei por coisas difíceis porque eu tinha que fazer as coisas da maneira como ele queria. Por um bom tempo da minha vida eu tive muitos traumas por conta dele. Quando fiz 18 anos, eu me assumi e fiquei mais leve”, ressaltou que ao chegar a maior idade resolveu sair de casa.


A cantora se mudou de Belém para Brasília e passou por momentos difíceis até conseguir um emprego em Recife como camareira de banda, responsável pelo seu início na carreira artística. Mas só em 2012 iria despontar na cena LGBT, quando passou a se apresentar em boates.

LEIA MAIS:

21ª Parada do Orgulho LGBT acontece neste domingo no centro de BH

Cantor de k-pop Holland lança clipe com beijo gay e sofre censura na Coreia do Sul

“Resolvi gravar uma música e lancei, há seis anos, Striptease, que repercutiu em Brasília, Tocantins e em outros lugares. Em 2016, lancei Catuaba [parceria com Gloria Groove] e foi aí que o grande público começou a me conhecer. De lá para cá, foi só crescimento”, comemorou.

Atualmente com contrato com a Sony Music, na qual vai lançar o seu próximo álbum “Mercadinho”, e sucessos como o hit Joga a Bunda, parceria com as também performers Pabllo Vittar e Gloria Groove. Mas apesar das conquistas, Aretuza convive com a depressão.

“Cada conquista, até mesmo as muito pequenas, me abalam muito. Vivo pelos cantos chorando quando eu conquisto algo. Às vezes não consigo digerir o que está acontecendo. Para mim é uma eterna batalha, os sonhos se transformam em superações diárias. Realizo um, aí vem outro que já quero realizar. O meu foco está em fazer sempre o melhor, e fazer com amor. Fama e dinheiro são consequências da intensidade do amor que você coloca naquilo que faz”, revelou.