bandeira lgbt
Bandeira LGBT (FOTO: Reprodução/Internet)

A Suprema Corte dos Estados Unidos anulou na segunda-feira (25), a sentença dada por um tribunal do estado de Washington, que condenou em primeira instância uma florista que se recusou a atender um casal gay. O caso agora será reavaliado.

Em sua defesa, a comerciante alegou que tinha o direito de se negar a atender o rapazes por causa das suas orientações sexuais, sob o argumento que o seu trabalho envolvia expressão artística e ela estaria amparada pela lei de liberdade de expressão.

LEIA MAIS:


Mulheres brigam durante Parada Gay de São Francisco

Em carta à Billboard, Pabllo Vittar manda mensagem para LGBTs: “Nossa luta é em nome do amor”

A corte pediu a revisão do tribunal citando o recente processo de um boleiro que venceu na justiça após se recusar a fazer um bolo de casamento para um casal gay. A sentença entendeu que fazer o bolo entraria em conflito com suas convicções religiosas.

Desde que a Suprema Corte legalizou o casamento gay, em 2015, vários profissionais que prestam serviços para cerimônias de casamento se negaram a atender pessoas do mesmo sexo, desafiando a ideia de que a legalização do matrimônio homoafetivo implica que não se pode discriminar os membros desse tipo de união.

As informações são da agência Effe.