Manifestação LGBT em Cuba
Manifestação LGBT em Cuba (Foto: Reprodução/Internet)

O reconhecimento dos direitos LGBTs, como o casamento homoafetivo, é o tema das discussões referentes a reforma constitucional que deve passar a vigorar em Cuba. De acordo com a deputada estadual Mariela Castro Espín, líder Nacional de Educação Sexual (Cenesex) que promove políticas a favor da mulher e assuntos ligados a diversidade, o resultado tende a ser a favor para essas minorias.

“Na Constituição existe uma parte sobre oportunidades e direitos, nos quais as pessoas LGBT também devem estar envolvidas. Constituições não necessariamente usam especificidades. Abrem as portas para depois dialogar sobre as modificações do sistema legislativo”, afirmou a parlamentar, filha de Raúl Castro, para a AFP.

LEIA MAIS:


Dan Reynolds, do Imagine Dragons, lança música para documentário LGBT

Renato Gervasio, irmão de Rafael Zulu, nega ser autor de nude atribuída a ele nas redes

A Assembleia Nacional estuda a reforma da Carta Magna de 1976, que propõe adaptar o país aos novos tempos econômicos e sociais sem perder a natureza socialista. “A Constituição abre o caminho para que a população decida. E se a população se prepara, se informa e é dada informação suficiente, estaremos tomando as decisões mais revolucionárias, justas e que contemplem os direitos de todas as pessoas”, analisou Castro.

Vale lembrar que homossexuais foram torturados e vítimas de punição após o Triunfo da revolução cubana em 1959, questão que anos depois foi motivo de pedido de retratação por Fidel Castro, assegurando que não foi uma política do governo.

DEIXE UMA RESPOSTA