Donald Trump
Donald Trump (Foto: Divulgação)

A juíza federal norte-americana Marsha Pechman emitiu um parecer em caráter liminar que proíbe a decisão do presidente Donald Trump de impedir que pessoas transgêneros possam servir às Forças Armadas dos Estados Unidos, anunciada em julho do ano passado.

A magistrada alegou como argumento da sua sentença que a medida tomada pelo chefe de estado estaria atrelada à histórica exclusão de negros no serviço militar e as proibições de unidades mistas entre homens e mulheres, ambas tidas como absurdas hoje em dia, mas anos atrás era algo “normal”.

LEIA MAIS:


Pela 1ª vez, homem trans recebe título de Mister Gay na Dinamarca

Harry Styles leva plateia ao delírio após hastear bandeira LGBT em show

“A liminar deve permanecer em vigor em todo país. Há transexuais sujeitos a opressão sistêmica e forçados a viver em silêncio. São uma classe desprotegida. Portanto, qualquer tentativa de excluí-los deve ser observada com todo cuidado”, escreveu Pechman no texto da decisão, acrescentando ainda que a proposta não chegou a um motivo convincente.

Trump surpreendeu ao anunciar a saída da população trans dos EUA em seu perfil no Twitter, em julho, modificando a lei imposta pelo presidente anterior, Barack Obama. A justificativa para a medida seria o corte de despesas médicas, que essa parcela custava aos cofres públicos.