Azealia Banks processa RuPaul por plágio [Foto: Divulgação]

O álbum “American” da drag queen mais famosa do mundo RuPaul foi retirado do Spotify, após acusações de plágio feitas pela cantora Azealia Banks, nas quais alega que a performer tenha copiado uma das suas canções.

Tudo começou quando fãs de Banks começaram a apontar semelhanças entre “The Big Big Beat” do EP “Slay Z” e a música “Call Me Mother” da drag queen, após as “denúncias”, a polêmica artista entrou com processo na justiça sob argumento que Mama Ru utilizou um sample de sua música sem autorização e ganhou a causa fazendo com que todo o álbum fosse bloqueado da plataforma de música digital até que a ação tivesse sua sentença final.

“Eu consegui uma intimação para que ‘Call Me Mother’ do RuPaul seja removida. Você não vai pisar no meu pezinho de garota negra, vadia. Você vai levar suas giletes e bombas para a clínica de depilação mais próxima e ficar fervendo. Rupaul, TCHAU FEIOSA“, provocou Azealia no Twitter.


Em outro desabafo, a cantora comentou a sua indignação. “RuPaul não admitir que roubou The Big Big Beat para Call Me Mother é um apagamento. O único ícone gay preto que temos seria tão inflexível em ignorar o impacto de uma jovem negra QUEER influente sobre a cultura gay moderna, enquanto mostra adoração por mulheres brancas heterossexuais aleatórias. Ele, honestamente, me deve essa plataforma para promover e compartilhar minha música, já que ele ama me roubar. É o justo.”

LEIA MAIS:

Alemanha pede perdão por perseguição a LGBTs no período do pós-guerra

Paulo Zulu lembra reação quando teve nude vazado: “Chorava o dia inteiro. Queria sumir”

“Eu não quero processar, só quero ser incluída e receber a visibilidade que eu mereço por ser usada como referência tantas vezes por aquele programa. Tipo… ser excluída da cultura gay, ao mesmo tempo que todos desfrutam ativamente da minha música e influência me machuca em um nível profundo. É desumano”, disparou.

E completou: “Porque isso me faz sentir como se as mesmas pessoas que gostam da minha música não valorizassem a minha existência, me enxergando como alguém que elas podem tirar as coisas, não reconhecendo que eu também dou muito à comunidade LGBT em minha arte, pois estou procurando o amor para ser retribuído. Caso contrário, simplesmente me deixam deprimida e amarga. Sempre dando e nunca recebendo. As pessoas precisam entender que não posso fazer todo o trabalho sozinha. Não pode ser apenas eu dando amor através da arte para ser consumida enquanto estou de mãos vazias. Vocês também têm que me amar um pouco”, finalizou.

Confira as músicas e compare:

Azealia Banks – The Big Big Beat:

RuPaul – Call Me Mother

DEIXE UMA RESPOSTA