A drag queen Gloria Groove e a sua mãe Gina Garcia (Foto: Reprodução/Instagram)

Mãe de uma das drag queens mais bem sucedidas da atualidade, Gloria Groove, Gina Garcia declarou todo o seu orgulho em uma carta publicada neste domingo (13), quando foi celebrado o dia das mães, no jornal O Globo.

Ela que também está inserida dentro do mundo da música, por exercer a função de backing vocal do grupo Raça Negra desde 1993, contou que aos 33 anos, deu à luz a performer. “Acho que Deus imaginou: ‘essa mulher teve tanta paciência, que eu vou dar ‘o cara’ para ela’. E meu menino é realmente ’o cara’. A mina também. Tenho tudo numa só pessoa”, declarou.

Apesar de só se assumir gay aos 13 anos, Gina lembrou que sempre percebeu o jeito delicado do filho, e quando teve a primeira conversa sobre a sexualidade. “Já sabia disso, mas estava esperando você se encontrar como pessoa. Dani deixou claro que não era uma opção, e sim uma condição; que ele havia nascido assim. No fim, afirmei que estaríamos juntos 200% e que sempre o apoiaria”, revelou.


Ainda no texto, ela também compartilhou a forma que ficou sabendo que além de homossexual, o filho agora iria se apresentar como artista performática: “Certo dia, meu filho veio com um papo: ‘É mãe, sou uma drag queen’”, recordou ela, acrescentando ter gostado do nome, além ser a primeira a dar um estojo de maquiagem para ajudar na montação.

LEIA MAIS:

Muso de Jojo Todynho, Yuri Gaspar, faz ensaio para festa KIKI

Netflix divulga trailer de “Alex Strangelove”, nova série de comédia gay

Gina falou da ascensão de Gloria como profissional. “Pensando bem, o Dani, agora com 23, veio pronto. […] Ele sou eu, porém muitos porcentos melhor. Me enxergo e me realizo nele. É foda — é exatamente essa a palavra — ver o lugar em que meu filho, Pabllo Vittar, Aretuza Lovi e tantos outros estão. Eles estão com o facão na mão, abrindo mata fechada.”

“Desejo que seja daí para mais, mas que o sucesso não seja só pelo sucesso. Que tudo isso sirva para mostrar ao mundo que é possível mudar a atitude dos indivíduos. E que meu filho seja, de fato, respeitado”, pediu.