O pastor
O pastor "ex-gay" Ken Williams (Foto: Divulgação)

Oito homens e mulheres da Califórnia, que dizem serem ex-gays e ex-lésbicas, participaram de um vídeo publicado no sábado (19), pela ‘Church United’, no site Vimeo, em protesto contra a legislação estadual que proíbe a terapia de homossexuais egodistônicos, a chamada “cura gay”. Sob o argumento que a decisão do governo do Estado os considera como fraudes.

Nas imagens, os entrevistados contam que apesar de passarem um período da vida acreditando ser homossexuais descobriram estar na “orientação sexual” errada a partir de que passaram a frequentar uma igreja.

Uma dessas pessoas é Ken Williams, pastor do ministério “Equipped to Love”. “A transformação é possível porque Jesus morreu na cruz por nós. Por isso podemos viver uma nova vida, somos uma nova criação em Cristo Jesus”, explicou.


Williams, no entanto, lamentou o projeto de lei [AB] 2943 que está sendo votado na Califórnia. “Ele destrói completamente minha experiência humana”, declarou. “Esta legislação, [AB] 2943, na verdade tira os direitos daqueles que estão questionando sua sexualidade. Nós não queremos ver uma América onde o governo está controlando como nos identificamos sexualmente”.

LEIA MAIS:

Niall Horan compartilha pedido de desculpas fofo de casal gay no primeiro voo de filho

Casal gay estrela nova campanha da marca de lubrificantes K-Med

Eles ainda pedem para que os cidadãos californianos liguem para os seus representantes e peça para que eles votem contra a lei. “É o governo dizendo: ‘Nós sabemos melhor do que você, qual identidade você deveria ter. E então vamos tirar alguns potenciais para a sua identidade’. É uma intrusão absoluta do governo na vida privada, na liberdade pessoal”, criticou.

“E em nome da ‘liberdade’ eles estão tirando minha liberdade porque pensam que sabem melhor do que eu, o que é melhor para mim. Há milhões de pessoas ao redor do mundo que têm a convicção de seguir a Deus na sexualidade heterossexual ou talvez até mesmo o celibato, mas não atuar na homossexualidade ou no transgenerismo. Portanto, temos que nos proteger, porque isso porque está violando a consciência das pessoas”, completou.

Com informações de CP

DEIXE UMA RESPOSTA