Logo Vivo Keyd
Logo Vivo Keyd (Foto: Reprodução/Twitter)

A equipe Vivo Keyd, da Liga Feminina da Gamers Club, foi dispensada do campeonato de esportes eletrônicos, após integrantes do time atacarem uma adversária transgênero que participava do torneio junto com elas. As informações são do site Notícias CS: Go.

A punição aconteceu depois que as jogadoras cis reclamaram que Olga Rodrigues estaria em situação irregular por ser uma mulher transexual e não deveria participar da competição junto com outras cisgênero. Apesar de ganharem o Bootkamp Gaming, elas não pararam com os comentários contra a rival.

O treinador do time Guilherme Walck chegou a se manifestar nas redes sociais. “Um player (sic) que tira o lugar de muita menina que batalha por essa chance é colocado no time só pro time ter chance de ganhar algo, desculpa eu não concordo, drtt você era um player tier 1 brasieliro no cenário masculino, faça uma breve analise vê se é justo… 3/3”, escreveu em um dos posts preconceituosos que logo depois foram apagados.


LEIA MAIS:

Inscrições para o 2º Concurso Miss Gay de Marília se encerram na quarta (23)

Aliança Nacional e Rede GayLatino lançam Manual de Comunicação LGBTI+ para jornalismo mais inclusivo

Diante da repercussão, a Vivo Keyd se pronunciou através de comunicado em repúdio ao comportamento de Walck: “A opinião do coach do nosso time feminino de CS:GO, Guilherme Walck, não representa a opinião do Vivo Keyd. Somos contrários a qualquer forma ou expressão de preconceito”. 

Uma reunião foi convocada pelo staff com os envolvidos na polêmica e a equipe decidiu dispensar todas as meninas. Mesmo sem mencionar o episódio de transfobia, o site diz que os comentários nas redes sociais foram os principais motivos para a decisão da organização.

Comunicado Vivo Keyd
Comunicado Vivo Keyd (Foto: Reprodução/Twitter)