O ginasta artístico Diego Hypólito
O ginasta artístico Diego Hypólito (Foto: Reprodução/TV Globo)

Convidado do Encontro com Fátima Bernardes, desta segunda-feira (07), o ginasta Diego Hypólito comentou sobre os casos de abuso sexual que sofreu na infância durante os treinos da ginástica olímpica.

Durante o seu depoimento no programa, o medalhista surpreendeu ao revelar como sua mãe soube de que havia sofrido a violência no passado. “Eu vi a matéria [sobre as acusações contra Fernando de Carvalho Lopes] ao lado da minha mãe e da minha irmã [Danielle]. […]E aí minha mãe falou assim: ‘Coitado né, uma pessoa tão boa’. Quando ela falou isso, me deu uma revolta. Uma pessoa tão boa? Como é que você pode acreditar numa situação como essa? Aí eu falei: ‘Você sabia que eu passei por isso na minha infância?’. E ela ficou um pouco em estado de choque”, disse.

“Aí que eu vi que a gente tem o dever sim de expor essas situações, porque se a gente não fizer o diferencial, a gente tem o poder para poder falar, para ser escutado, porque muitas pessoas falam e não são escutadas, a gente tem que fazer o diferencial, não importa quem a gente vai magoar”, desabafou.


LEIA MAIS:

Youtuber André Coelho rebate com comentário homofóbico elogio de fã gay em rede social

Após seis meses, casamento de Colton Haynes e Jeff Leatham chega ao fim, diz site

Sobre as acusações de assédio contra o ex-técnico da seleção brasileira de ginástica artística Fernando de Carvalho Lopes, Hypólito afirmou que apesar de ter conhecimento de alguns casos, sempre preferia não fazer pré-julgamentos. “Eu não tenho como olhar para uma pessoa e falar: ‘Essa pessoa é assassina, essa pessoa é uma pedófila’. Eu não tenho como. E eu, pelos meus princípios familiares, eu sempre procuro acreditar nas coisas boas. O mundo já tem muitos críticos, se a gente não for incentivador de pessoas, a gente não vai ter para onde ir. Então, por esses meus princípios, eu sempre acreditava que essas situações, até a própria do Fernando, não poderiam ser reais”, explicou.  

Apesar de treinar com Fernando, o atleta afirma que nunca foi vítima, pois já era adolescente quando trabalharam juntos.