Caitlyn Jenner
Caitlyn Jenner (Foto: Divulgação)

Em seu discurso no parliament for Channel 4’s third annual Diversity Lecture, a ex-atleta e ativista transgênero Caitlyn Jenner revelou que passou por um longo processo de depressão até ser reconhecida como mulher trans.

A exposição durante o seu processo de transição de gênero fez com que a ela pensasse na possibilidade de cometer suicídio. “Por anos, tive todo tipo de problema com tablóides e paparazzi falando tudo que podiam sobre mim. Colocavam minha cara em corpos de mulheres, tinham sempre 4 ou 5 papparazis me seguindo em todo lugar, tirando fotos…”, lembrou.

“Uma vez recebi um telefonema do TMZ dizendo: ‘Temos esta foto, o que fazemos?’. Eu mal consegui dormir aquela noite”, continuou. Acordei, desci as escadas e pensei: Quer saber? Tem uma arma no quarto. Vou usar, acabou o sofrimento! Pronto! Parecia a melhor saída.”


LEIA MAIS:

Sarah Jessica Parker diz que se fosse feita atualmente, Sex And The City teria mais diversidade

Grindr lança função de mensagens de áudio no aplicativo

Felizmente, ela acabou desistindo de realizar o ato de tirar a própria vida. “Pensei: Era a coisa mais estúpida que eu poderia fazer! Por que não pensar diferente? Por que não usar minha voz? Por que não contar minha história? Foi o ponto mais sensível da minha vida, e desde então, nunca mais pensei em tirar minha vida novamente. Me tornei uma pessoa de fé”, relatou.

Ainda no discurso, Caitlyn falou sobre o apoio à candidatura do presidente norte-americano Donald Trump, visto por ela como um erro. “Sei que a comunidade trans caminhou uns 20 anos pra trás com tudo que perdemos com ele, a proibição nas forças armadas, a questão dos banheiros públicos e etc. Eu esperava muito mais do que isso”, concluiu.