Ativista LGBT é executada e tem o corpo queimado em favela no Rio

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A estudante de Artes Visuais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Matheus Passarel, mais conhecida como Matheusa, teve a sua morte confirmada no domingo (06). Ativista LGBT, ela se identificava como não-binária, apesar de preferir ser tratada no feminino e estava desaparecida.

A informação foi confirmada pela irmã de Matheusa, Gabe Passarelli que em seu perfil no Facebook contou que a estudante foi executada em uma favela da zona norte do Rio de Janeiro e teve o seu corpo incendiado, como concluiu a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) da Polícia Civil.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Sobre seu corpo, também segundo informações colhidas pela DDPA, ele foi queimado e poucas são as possibilidades de encontrarmos alguma materialidade, além das milhares que a Matheusa deixou em vida e que muito servirão para que possamos ressignificar a realidade brutal que estamos vivendo”, desabafou Passarelli.

LEIA MAIS:

Novas denúncias de assédio afirmam que ex-técnico da seleção de ginástica filmava os atletas nus

Primeira ministra LGBT da Sérvia rebate comentário homofóbico de colega

A estudante desapareceu no último dia 29 de abril. Ela foi vista pela última vez durante uma festa no bairro Encantado, onde iria a trabalho para fazer uma tatuagem na aniversariante. A Polícia Civil investiga a autoria do crime.

Matheusa era natural de Rio Bonito, município a 77 km da capital Rio de Janeiro, onde se mudou junto com a irmã para cursar a universidade. As duas foram as primeiras da família a cursar o ensino superior.

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio