Professor de artes norte-americano Michael Hill
Professor de artes norte-americano Michael Hill (Foto: Reprodução/Facebook)

O professor de artes norte-americano Michael Hill decidiu abandonar a sua profissão e o estado do Kansas, após receber cartas ameaçadoras pelo fato de ser gay. Os ataques começaram depois que ele assumiu a sua sexualidade abertamente.

De acordo com o jornal “Topeka Capital-Journal”, o docente que dava aulas em uma escola do ensino médio, na cidade de Seneca, contou sobre a sua orientação sexual para a reitoria e aos seus alunos, no “Coming Out Day” (dia de sair do armário) do ano passado. Logo após o feito, ele começou a receber cartas que julgavam gays como pessoas “pervertidas e predadoras”, que não poderiam ser professores.

Temendo pela sua segurança, Hill decidiu se mudar para Palm Springs, que segundo ele, está sendo muito mais acolhedora. As correspondências ameaçadoras diziam ainda que a comunidade da cidade não iria tolerar a sua condição e o autor das ameaças chegou a afirmar que faria justiça com as próprias mãos, caso não abandonasse o local.


Outros episódios assustadores aconteceram durante todo o tempo que sofreu o ataque homofóbico. Em um deles teve os pneus do seu carro furados com a palavra “viado”. Michael contou que chegou a ir para a polícia, que não conseguiu identificar os culpados. Apesar de receber todo o apoio da instituição para qual trabalhava, Darrel Kohlman, superintendente da instituição, se pronunciou afirmando que, como os incidentes ocorreram fora da escola, estavam fora de seu controle.

LEIA MAIS:

Bar LGBT de Salvador sofre ataque homofóbico pela sexta vez em Salvador

Travesti afirma ter sido agredida por policiais ao ser confundida com traficante no Rio

Hill tinha se assumido para a familiares meses antes, em julho do ano passado. Porém não teve a mesma aceitação no ambiente escolar, que chegou a expor o professor de maneira anônima na internet ao especular um relacionamento quando uma pessoa o fotografou com um amigo. A partir deste momento Michael passou a sofrer cyberbullying, desencadeando em um ambiente insuportável dentro da sala de aula.

Na época, ele chegou a fazer uma publicação no Facebook, na qual deixou claro que estava incomodado com toda a situação que beirava a falta de respeito. O post conseguiu cerca de 400 comentários de pessoas que ofereceram apoio.

DEIXE UMA RESPOSTA