Ítalo Baptista sofreu ataque ao sair de Casa Noturna LGBT em Taubaté
Ítalo Baptista sofreu ataque ao sair de Casa Noturna LGBT em Taubaté (Foto: Acervo Pessoal)

Um jovem gay, de 27 anos, afirma ter sofrido um ataque motivado por homofobia enquanto saía de uma casa noturna LGBT, localizada no centro da cidade de Taubaté, interior do estado de São Paulo.

Ítalo Baptista sofreu a agressão ao sair da boate junto com outros amigos que também eram alvos, mas conseguiram fugir. “Eles me derrubaram no chão e começaram a chutar e socar o rosto. Eu não lembro de tudo, mas eles me arrastaram, chutaram principalmente meu rosto e me bateram com a madeira”, contou ele para o G1.

Um casal que mora na rua ouviu os gritos da vítima e saiu de casa para ajudá-la. “Ouvi um grito de dor e desespero, e quando fomos olhar para a janela vimos os dois espancando para matar. Meu marido saiu atrás dos caras e eles se assustaram e fugiram. O Ítalo estava todo ensanguentado”, contou Michele Manzetti.


A polícia foi acionada e Ítalo levado ao Hospital Regional de Taubaté para cuidar dos diversos ferimentos em todo o corpo, principalmente no rosto. “Geralmente, quando se trata de assalto, nem sempre tem agressão, mas quando tem é só até a pessoa entregar o que eles querem e depois vão embora. No meu caso, eles permaneceram me agredindo mesmo depois de pegarem meu celular. Foram muito violentos, se ninguém tivesse me ajudado, eu tinha morrido”, afirmou o rapaz que teve o celular levado pelos criminosos.

LEIA MAIS:

Após post homofóbico, ex-servidor do IBGE diz que conta foi hackeada: “Não foi eu”

Suspeitos se entregam como autores de ataque homofóbico a casal gay após Parada LGBT de Miami

Um Boletim de Ocorrência (B.O.) foi registrado e os suspeitos foram identificados. “À princípio é muito prematuro dizermos que foi um crime de homofobia. Inicialmente foi um roubo patrimonial, porque o celular foi levado. Mesmo assim, não vamos descartar as outras possibilidades e vamos investigar cada uma delas para descobrir o que realmente foi”, destaca o delegado Horácio Campos.

Campos ainda disse que imagens das câmeras de segurança de algumas casas e estabelecimentos próximos não filmaram o ato. Porém, ajudou para investigar a identidade dos suspeitos, que serão intimados na próxima semana para prestar o depoimento e passar por reconhecimento da vítima.