Grindr
Grindr [Foto: Divulgação]

Diante da repercussão negativa, o Grindr pediu desculpas por ter entregado dados privados de usuários, sobretudo a informação a respeito da contaminação ou não do vírus HIV para empresas terceiras, finalmente admitindo o erro.

Em um vídeo publicado na conta oficial do Twitter da empresa, Jack Harrison-Quintana , integrante da campanha “Grindr pela Igualdade” garantiu que “O Grindr nunca vendeu ou vai vender informações pessoais de seus usuários, especialmente status de HIV”, afirmou.

Leia Mais:


Associação PampaCats oferece diversas modalidades no esporte em combate a LGBTfobia

Cinco acusados do assassinato da travesti Dandara são condenados em Fortaleza

“Campeão em acessos da comunidade LGBT, o Grindr sabe e reconhece que isso é uma questão privada de cada pessoa e respeitamos esta decisão quer você publique isto em seu perfil ou esconda”, completou.

Um post no Tumblr oficial do aplicativo explica melhor a situação. A companhia permitiu o acesso como Apptimize e Localytics com o objetivo de aprimorar os serviços do próprio app. “Trabalhando com estes contratantes, usamos informações de usuários – como status publicado de HIV – mas apenas para criar novas funções como foi com o novo ‘alarme que lembra pessoas de realizar o teste de HIV’”.