O estudante de medicina Gustavo Amorim denunciou professores e colegas da UFRJ, por declarações homofóbicas
O estudante de medicina Gustavo Amorim denunciou professores e colegas da UFRJ, por declarações homofóbicas (Foto: Reprodução/Facebook)

Um estudante de medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) afirmou sofrer homofobia dentro da sala de aula por professores e colegas, em um post publicado em suas redes sociais.

No depoimento que ultrapassa a marca de 9 mil compartilhamentos, Gustavo Henrique Amorim, de 25 anos, contou que em um dos episódios um professor chegou a pedir para ele ser menos “afeminado”. Outro docente teria dito que “veado não pode fazer urologia”.

“Foi durante uma aula que o professor falou que viado não poder ser urologista. Todo mundo sabe que eu sou gay e, a partir do momento que ele fala isso, ele tira o meu profissionalismo. É muito humilhante”, desabafou.


LEIA MAIS:

Após post homofóbico, ex-servidor do IBGE diz que conta foi hackeada: “Não fui eu”

O diretor da UFRJ Roberto Medronho, enviou uma nota de repúdio, junto com o texto de Gustavo por e-mail a todo o corpo docente, além de instituir um canal de denúncias anônimas. “Quando recebermos a denúncias, vamos abrir um inquérito para apurar e eventualmente punir os culpados”, disse ele ao jornal Extra.

Ainda no post, Gustavo levantou a falta de respaldo do curso e defendeu a criação de uma disciplina específica para o cuidado de LGBTs. “Queremos ser capacitados para orientar e tratar LGBT. Muitos dos médicos não sabem sequer o que é uma pessoa trans. Não sabem manejar ou encaminhar as transexuais que apresentam queixas relativas a efeitos adversos do tratamento hormonal ou cirúrgico.”

Medronho diz concordar com a sugestão e segundo ele, a disciplina pode virar eletiva já no próximo semestre, caso um professor se disponibilize a ministrar.