O ator Clark Moore como Ethan em
O ator Clark Moore como Ethan em "Com Amor, Simon" (Foto: Divulgação)

Intérprete de Ethan, no drama gay “Com Amor, Simon”, um gay negro assumido e afeminado que sofre preconceito na escola onde o protagonista estuda, o ator Clark Moore relacionou a história do filme com a sua vida real em entrevista.  

“As crianças zombavam de mim por ser gay ou por ser negro? Eu pensava: Bem, elas vão viver em Atlanta pelo resto da vida, eu vou arrasar e fazer coisas grandes! Ninguém vai se colocar no meu caminho!”, afirmou.

Moore acredita que a história do longa pode ajudar até mesmo quem não é homossexual a entender o processo de aceitação da sua sexualidade. “A história mostra que por mais maravilhosos que seus pais sejam ou a sua situação, é assustador se abrir para as pessoas que te amam pelo medo de decepcioná-las. Acredito que o filme ajude tanto LGBTs quanto héteros a entenderem esse momento delicado que passamos”, declarou


Sobre a representatividade tanto da orientação sexual quanto na raça, ele acredita que “O fato de garotos negros e gays poderem ver alguém como eles na tela é incrível e representativo. Por muito tempo, histórias LGBT se centraram apenas em personagens brancos. É importante representarmos e mostrarmos outros aspectos pra que todos se sintam incluídos e possam se ver nas obras.”

Leia Mais:

Ricky Martin lembra época dentro do armário: “Não queria que me conhecessem”

Reportagem da revista Época causa polêmica ao sugerir uso irresponsável da PrEP por gays

Questionado sobre o momento de sair do armário na vida real, Clark lembrou que antes mesmo de se assumir as pessoas já sabiam. “As pessoas já sabiam antes de eu me assumir! Eu contava como se fosse meu maior segredo e as pessoas reagiam como ‘Ah é? Ok…’, isso provavelmente porque sempre fui um gay estereotipado e com trejeitos. Então não acho que teve muita novidade pra quem contei ou que fosse algo que não esperavam”, recordou.

Para ele, é de suma importância que a comunidade LGBT divulgue o longa. “Precisamos nos unir pra encorajar produtoras a fazerem mais filmes que nos representem! Vamos fazer do filme um sucesso assim ano que vem teremos mais 10 destes e no próximo ano mais 20! Sabemos que se não fizer sucesso, isso nos fecha porta, não temos como desperdiçar essa grande oportunidade!”, exclamou tomando o sucesso do Pantera Negra como exemplo.