Dor nos países baixos
Dor nos países baixos (Foto: Reprodução/Internet)

Dados comparativos revelaram que a Sífilis chegou ao maior nível da doença em 2017 desde 1949, na Inglaterra. O crescimento também foi notado nos Estados Unidos que demonstrou aumento em todas as regiões e maioria dos grupos etários, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que ressalta ainda o número de 5,6 milhões de pessoas com a doença no mundo.

No Brasil, a realidade não é diferente. A Sífilis adquirida, aquelas que se dá em adultos, houve um salto de 27,9% nos números mais recentes disponíveis divulgados pelo Ministério da Saúde, entre os anos 2015 e 2016, quando foram registrados 87.593 mil casos. Já a infecção congênita, aquelas na qual a mãe passa para os bebês elevou a uma alteração de 4,7 mil.

Leia Mais:


Sexo oral ultrapassa cigarro e bebida entre causas do câncer de garganta

Apple lança versão vermelha para iPhone 8 com lucro revertido para combate ao HIV/Aids

O Ministério atribuiu o aumento ao desabastecimento da penicilina (medicamento mais efetivo contra a sífilis), e também do aumento dos diagnósticos por conta dos testes que passaram a ser oferecidos pela rede pública.

A Sífilis é uma infecção que se propaga mais facilmente que outras DSTs, como gonorreia e clamídia. O problema maior, entretanto, está em alguns casos serem assintomáticos E, dessa forma, acaba contagiando outras pessoas inadvertidamente.

Com informações do UOL

DEIXE UMA RESPOSTA