Algumas obras da exposição QueerMuseu (FOTO: Reprodução)
Algumas obras da exposição QueerMuseu (FOTO: Reprodução)

Após a censura da exposição Queermuseu, no Santander Cultural, em Porto Alegre, no ano passado, que causou polêmica nas redes sociais, novas opções foram levantadas. Dentre elas ao Museu de Arte do Rio (MAR), que acabou não dando muito certo. Porém, a Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, lançou uma campanha de arrecadação para levar a mostra à cidade carioca.

O objetivo inicial era chegar até o valor de R$ 690 mil até a meia-noite desta quinta-feira (29), entretanto atualmente a arrecadação ultrapassou o número necessário e já chega a R$ 850.246 mil. Além de garantir a exposição da Queermuseu no Rio, a vaquinha também servirá como aprimoramento do debate ampliando o programa educativo.

Após protestos liderados pelo Movimento Brasil Livre (MBL), que acusavam a mostra de blasfêmia, zoofilia e pedofilia em suas obras, a Queermuseu foi cancelada de maneira precoce pelo Santander Cultural em setembro.


Leia Mais:

Estado de Maryland aprova lei que proíbe “cura gay” em menores

Instagram causa revolta após censurar foto de beijo gay

Como penalidade, o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPF/RS) ordenou que a instituição organize duas novas mostras com temas sobre diversidade com foco em direitos humanos.

Segundo o termo de compromisso assinado entre as partes, o Santander Cultural deve manter medidas informativas sobre eventuais representações de nudez, violência ou sexo nas obras que serão expostas, assegurando a proteção à infância e à juventude.

DEIXE UMA RESPOSTA