A vereadora Marielle Franco e a arquiteta Monica Tereza Benício
A vereadora Marielle Franco e a arquiteta Monica Tereza Benício (Foto: Reprodução/TV Globo)

Companheira de Marielle Franco, Monica Tereza Benício causou uma saia justa com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão ao discursar sobre a morte da noiva, assassinada a tiros no último dia 14, dentro de um carro, junto com o motorista Anderson Gomes dentro de um carro no centro do Rio de Janeiro, durante a cerimônia reabertura da Biblioteca Parque de Manguinhos, que ganhou o nome da vereadora.

“Haverá sangue nas mãos do governador até que a Policia Civil resolva a morte da vereadora”, disse ela na cerimônia. “O estado não faz mais do que sua obrigação reabrir (a Biblioteca Parque) porque é dever dele dar cultura para os povos favelados”, alfinetou.

A unidade estava fechada desde 2016 e passou por reparos na rede elétrica, bem como na parte estrutural. Ao tomar a palavra, o governador Pezão foi recebido com vaias da plateia.


Leia Mais:

Casal lésbico é estuprado uma na frente da outra e brutalmente assassinado

Organização lança campanha para criação de princesas trans e empoderadas na Disney

Mãe de Marielle, Marinete da Silva mostrou toda sua indignação pela morte brutal da filha. “Tenho muita indignação. Foi um ato covarde! (Marielle) começou na política como filha como mulher, como mãe e com tudo o que ela pregava e acreditava em seus projetos sociais.”

“Ela se envolveu em muitos projetos, mas eu nunca imaginei que ela fosse chegar tão longe. Era uma mulher vibrante, amorosa, era uma mãe boa e filha também. E a covardia que fizeram com a minha filha não tem tamanho! É inadmissível por que Marielle não tinha motivo para isso. Ela sempre se envolveu em projetos sociais variados. Desde criança. Não tenho nem o que falar. Só agradecer”, completou Marinete.

DEIXE UMA RESPOSTA