Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo
Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (Foto: Reprodução/Google)

Estudantes da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, denunciaram nas redes sociais, casos de racismo e homofobia nesta quarta-feira (21). Na porta do banheiro feminino da instituição frases como “Fora sapatão” e “odeio preto” foram pichadas. A direção do local afirmou que irá abrir sindicância para apurar o caso.

Em um vídeo, a aluna Layla Coelho Cassimiro contou que esta não foi a primeira vez que aconteceram ataques contra minorias. Ela tirou foto para “preservar a cena do crime” e procurou os responsáveis pela faculdade para que medidas fossem tomadas.

Isso já aconteceu outras três vezes e nada foi feito. Agora, vou até o fim. A faculdade é um espaço democrático, é um espaço nosso por direito e devemos lutar por isso”, alegou Layla que ainda registrou um Boletim de Ocorrência digital e espera que a Polícia Civil tome algum posicionamento sobre o caso.


Por meio de nota instituição de ensino informou que repudia este tipo comportamento, e que tem “como valores fundamentais a democracia e a dignidade da pessoa humana, totalmente incompatíveis com qualquer atitude de natureza preconceituosa”, disse.

Leia Mais:

Tribunal nega recurso do Ministério Público contra adoção de criança a casal gay

Carro é jogado contra multidão em frente a bar gay no Texas e mata enfermeiro

O comunicado ainda continua afirmando que “jamais tolerou manifestações semelhantes e renova seu compromisso hoje e sempre de incentivar a solidariedade e o convívio civilizado e plural entre todos os seres humanos.”

A Faculdade afirmou que providências serão tomadas para apurar o caso. “Determinamos medidas urgentes, dentre as quais a instauração de Sindicância para apurar o fato e identificar o responsável, além de oficiar a autoridade policial competente e preservar intacto o local dos fatos para que sejam tomadas as providências legais cabíveis”, completou o texto, que ainda acrescenta a criação de ações pedagógicas para combater a intolerância.

Com informações do G1.