Documentário Depois do Fervo questiona se Florianópolis é uma cidade segura para a comunidade LGBT
Documentário Depois do Fervo questiona se Florianópolis é uma cidade segura para a comunidade LGBT (Foto: Divulgação)

Considerada uma das cidades mais gay-friendlys do Brasil, Florianópolis conta com um dado controverso por registrar cerca de 70 casos de violência por mês contra a comunidade LGBT. Um documentário questiona justamente o acolhimento do público de diversidade.

O filme “Depois do Fervo” acompanha seis pessoas que relatam as suas relações na capital catarinense, reconhecida como um dos lugares do Brasil que mais respeita LGBTs, tanto que a sua parada do orgulho ganha cada vez mais público a cada ano, responsável por contribuir com a economia local com o turismo.

Leia Mais: Jogador de vôlei Michael lembra ataque homofóbico:”Sensação de incapacidade”


Dirigido pelo jornalista Mateus Faisting, o longa desmistifica a ideia de que Florianópolis é a cidade que mais acolhe LGBTs no Brasil. “Florianópolis é uma cidade que não é muito segura para a comunidade LGBT. A gente encontra muitos casos de violência, agressão homofóbica, lesbofóbica, transfóbica, bifóbica aqui em Florianópolis. Mas muito disso ainda não é divulgado. Primeiro porque as pessoas têm um pouco de receio de contar que sofreram algum tipo de agressão e segundo porque realmente não se quer muito revelar essa realidade”, afirmou o cineasta em entrevista ao G1.

Todos os protagonistas da produção, por exemplo, relataram sofrer algum tipo de discriminação por causa da sua orientação sexual e/ou identidade de gênero. “O meu desejo enquanto diretor do documentário, enquanto produtor de conteúdo para a comunidade LGBT e sobre a comunidade LGBT é que a cidade se modifique, se transforme para realmente ser um lugar muito mais seguro para a nossa comunidade”, finalizou Faisting.

Assista ao documentário: