Jovem Ethan Stable acusado de planejar atentado em Parada LGBT na Inglaterra
Jovem Ethan Stable acusado de planejar atentado em Parada LGBT na Inglaterra (Foto: Reprodução/Internet)

O jovem britânico Ethan Stables, de 20 anos, foi considerado culpado pelos crimes de preparação de atentado terrorista, ameaças de morte e posse de explosivos, com o intuito de planejar um ataque durante a Parada do Orgulho LGBT de Barrow, na Cumbria, no Reino Unido em março do ano passado.

A sentença foi dada pelo tribunal de Leeds. Segundo o jornal The Guardian, o réu não esboçou nenhuma reação ao ouvir o veredicto do juiz. Porém, se mostrou envergonhado pelos comentários racistas e homofóbicos, durante o processo, no qual se declarou bissexual.

Posts de Stables nas redes sociais foram mostrados como prova. Em uma publicação no Facebook, o rapaz escreveu mensagens de ódio direcionados a muçulmanos e judeus. Em um vídeo, ele ainda aparece queimando uma bandeira do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT.


“Olhem para este arco-íris é tão melhor assim a arder. É como os gays; muito melhores quando estão a arder”, disse durante as imagens.

Stables teria anunciado em um grupo no Facebook com ideais Nazistas que pretendia promover um ataque contra os participantes do desfile pela diversidade da cidade britânica. O plano, felizmente, foi desfeito pela polícia local, que recebeu a denúncia de uma mulher de Staffordshire, que chegou a publicar um alerta no Twitter. Sendo preso por volta das 22h – horário local – próximo ao bar, na noite da Parada, no dia 23 de junho de 2017.

Leia Mais:

Gloria Groove lança clipe para aposta do carnaval; assista “Bumbum de Ouro”

LGBTs organizam boicote a Riachuelo após dono declarar apoio à bancada evangélica

Durante o julgamento, o suspeito negou que estivesse planejando um atentado terrorista e tentativa assassinato, e também desmentiu as acusações de que seja homofóbico afirmando que “na realidade, eu sou bissexual”, alegando ainda já ter mantido relações homossexuais.

De acordo com a BBC, o extremista garantiu ter sido vítima de “uma lavagem cerebral” durante uma viagem a Alemanha, onde conheceu radicais de extrema-direita no hostel em que ficou alojado.