Padre Beto foi excomungado por defender casamento gay
Padre Beto foi excomungado por defender casamento gay (Foto: Arquivo Pessoal)

O caso de um padre que foi excomungado da Igreja Católica, após defender temas polêmicos, como o casamento homoafetivo, além de questionar a fidelidade e apontar mudanças na estrutura da instituição,em 2013, processo aberto pela Diocese de Bauru (SP) chegou em análise no Superior Tribunal Federal (STF).

A ação foi encaminhada pela defesa de Roberto Francisco Daniel, mais conhecido como “Padre Beto”, e afirma que a decisão foi tomada sem que o réu tivesse ampla defesa, algo que vai contra a constituição federal.

De acordo com o G1, o primeiro pedido de revisão do afastamento do religioso foi indeferido em primeira instância. Dois anos depois desta sentença, a defesa conseguiu pedir agravo para que a análise ocorra através do STF.


Leia Mais: Jovem é morto a facadas por namorado em Ribeirão Preto (SP)

“Embora o Brasil seja um país laico, onde o estado não interfere na Igreja, é preciso respeitar o exercício do direito de defesa que é previsto na Constituição. Por isso, entendemos que há um conflito de interesses nessa questão que precisa ser analisado e revisto”, afirmou o advogado Antônio Celso Galdino Fraga.

Em nota, a Diocese de Bauru afirmou que não irá se pronunciar sobre o assunto e que o caso é meramente jurídico no momento.

DEIXE UMA RESPOSTA