Algumas obras da exposição QueerMuseu (FOTO: Reprodução)
Algumas obras da exposição QueerMuseu (FOTO: Reprodução)

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPF/RS) ordenou que o Santander Cultural organize duas novas mostras com temas sobre diversidade com foco em direitos humanos, como punição  após cancelar a Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, em setembro, após ceder à pressão de movimentos como o MBL, 30 dias antes do seu encerramento inicialmente previsto.

A determinação faz parte de um termo de compromisso firmado entre a instituição e o MPF, que suspeita de censura à liberdade de expressão artística. Caso não cumpra o acordo, o local está sujeito a pagar uma multa diária no valor de R$ 800 mil.

Leia Mais:


Noivos e convidados são presos após vídeo de casamento gay na Arábia Saudita viralizar na rede

São Paulo promove mutirão de retificação do nome e gênero para pessoas trans

As novas exposições ficaram abertas ao público por pelo menos 120 dias. Na qual uma delas falará sobre as formas de empoderamento das mulheres na sociedade contemporânea. A decisão considerou o fato da Queermuseu ter sido realizada com recursos captados através da Lei Roaunet, destinada para a promoção da cultura.

Segundo o termo de compromisso assinado entre as partes, o Santander Cultural deve manter medidas informativas sobre eventuais representações de nudez, violência ou sexo nas obras que serão expostas, assegurando a proteção à infância e à juventude.