Câmara Municipal de Ribeirão Pires
Câmara Municipal de Ribeirão Pires (Foto: Divulgação/Alesp)

A discussão na Câmara Municipal de Ribeirão Pires sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), foi marcada pelo discurso de uma mulher, identificada como Bárbara Machado Souza, que em sua fala deu um show de desinformação ao comparar gays a pedófilos, zoófilos e até necrófilos.

“Nós nascemos da união de um homem com uma mulher, e nós temos um sexo. Se nós adultos temos dificuldade em lidar com a nossa sexualidade, quem dirá uma criança. Em muitos países já não se falam menino ou menina, o termo utilizado é iT, coisa”, declarou ela.

Para Bárbara, o desejo sexual entre pessoas do mesmo sexo seria o mesmo que transar com animais, defuntos ou crianças. “Se eu sou algo, sou uma coisa, então significa que se eu quiser fazer sexo com um cachorro, isso é natural, ou se eu decido na minha cabeça desconstruída, cheia de imagens e informações desconstruídas, se eu decidir fazer sexo com cadáveres, isso é natural”, disse.


Leia Mais:

Mulher é presa na Tanzânia após vídeo beijando parceira viralizar na internet

Rafael Zulu sobre cenas quentes com Eriberto Leão em O Outro Lado do Paraíso: “Preparado pra tudo”

Ela ainda continuou o seu raciocínio. “A ideologia de gênero propõe muito mais do que fazer sexo com uma outra pessoa do mesmo sexo. Então se eu sou um adolescente de 14 anos e aprendo que sou uma coisa e vou construir a minha sexualidade, então se eu quiser fazer sexo com um bebê, isso é normal.”

Neste momento, Bárbara foi interrompida pelo vereador Edson Savietto (PPS) que começou a questioná-la sobre o objetivo da tribuna. “Me desculpe, mas foi um absurdo o que você falou aqui, as suas palavras foram as mais absurdas que eu já ouvi nesta Câmara, nesse tempo todo que estou aqui. Você está levando ódio para a sociedade e ainda está chamando os homossexuais de pedófilos, isso foi um absurdo”, criticou.

A mulher se defendeu, alegando ter sido mal interpretada. Com o clima esquentando, o presidente da Câmara Rubão Fernandes (PSD) decretou o fim da sessão, afirmando que aquilo não era um debate e que a mulher havia passado de alguns limites.