bandeira lgbt
Bandeira LGBT (FOTO: Reprodução/Internet)

Um pai teve o pedido de adoção legalmente do seu filho, de quatro anos, negado por uma corte de Cingapura, nesta quinta-feira (28), por ele ser homossexual. A decisão partiu do princípio que a criança foi concebida através de um processo de fertilização in vitro – o que no país é apenas autorizado para casais heterossexuais -, e gerado através de uma barriga de aluguel, proibida para qualquer tipo de configuração familiar.

O homem, que não teve a identidade revelada, pelo caso envolver um menor de idade, pagou cerca de 200 mil dólares para fazer o procedimento, recorrido após ouvir dos seus advogados que as chances de conseguir a guarda com a criança com o seu parceiro eram mínimas.

Leia Mais:


Justiça cancela processo de abuso sexual contra Michael Jackson

Bruno Gadiol fala sobre sexualidade de personagem em Malhação

O garoto tem cidadania americana, e permanece sob os cuidados do homem, onde foi concebido, mas mesmo assim, os juízes acreditam que ele não poderá usar os métodos legais nos EUA, que são proibidos em Cingapura. “Este processo é, na realidade, uma tentativa de obter o resultado desejado através da porta dos fundos de um sistema no qual a porta da frente está fortemente fechada”, afirmaram.

Cabe ressaltar que Cingapura é um dos locais do mundo, onde a homossexualidade é considerada crime, com penas de até dois anos de prisão, apesar de haver poucos registros de processos sobre o assunto por lá. As informações são da Agência Reuters.

 

DEIXE UMA RESPOSTA