Arqueologo descobre registros de sexo gay no século V a.C.
Especilista acredita que desenhos em rocha na Grécia sugerem sexo gay [Foto: Reprodução/The Guardian]

A descoberta de inscrições em uma rocha de Astipaleia, em Vathi, capital da ilha de Samos, na Grécia, pode sugerir o registro de sexo gay mais antigo que se tem notícia na história da humanidade.

O achado foi encontrado pelo arqueólogo Andreas Vlachopoulos, que cursa atualmente pós-doutorado na Universidade de Princeton, e começou um trabalho de campo nas ilhas Egéias. Os desenhos são datados do século V e VI a.C. e mostram dois pênis gravados em uma das pedras escavadas.

Leia Mais:


Canal a cabo flagra jogadores nus em vestiário após vitória do Grêmio

Canadá pede desculpas por perseguição a LGBTs no século 20

“Na Grécia Antiga o desejo sexual entre homens não era tabu. Elas (as inscrições) reivindicam seu próprio espaço em grandes letras que não só expressam o desejo sexual, mas o ato sexual”, afirmou Vlachopoulos, ao jornal The Guardian.

O especialista acredita que o registro comprova que as relações homossexuais sempre foram uma realidade. “Este grafite não é apenas um dos primeiros já descoberto. Diz claramente que estes dois homens estavam fazendo amor durante um longo período de tempo, enfatizando o ato sexual de forma que é altamente incomum em obras de arte erótica.”, ressaltou.

Arqueologo descobre registros de sexo gay no século V a.C. [Foto: Reprodução/The Guardian]