Pai de Fernanda Gentil fala da sexualidade da filha: “Não foi uma aceitação instantânea”

Pai de Fernanda Gentil falou sobre namoro lésbico da filho no programa Encontro
Pai de Fernanda Gentil falou sobre namoro lésbico da filho no programa Encontro (Foto: Reprodução/TV Globo)

A decisão judicial que reverte uma resolução de 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia (CFP), e autoriza profissionais da área a tratar a homossexualidade como doença, foi um dos assuntos abordados no programa Encontro com Fátima Bernardes, desta quinta-feira (21). Dentre os convidados, o pai da jornalista Fernanda Gentil, que há um ano assumiu o namoro lésbico com Priscila Montandon, comentou sobre o processo de aceitação da sexualidade da filha.

“A minha história com essa situação não foi de uma aceitação instantânea. Passei por um processo, durante um tempo, porque eu passo por um processo desde que a Fernanda e o Felipe nasceram, que é de aprender a ser pai. A lição mais bonita da minha vida. E eu aprendi, com vários eventos da minha vida, que uma das artes de ser pai é não colocar a nossa verdade no mundo deles, mas aceitar a verdade deles para o nosso”, afirmou Gentil sendo aplaudido pela plateia.

Leia Mais:


Artista transforma anões da Branca de Neve em daddies saradões

Peça infantil sobre romance homoafetivo promove beijaço contra “cura gay”

Como Fernanda já havia contado em entrevista a um programa de rádio, Maurício explicou que precisou de um tempo para se adaptar a nova realidade. “Pedi a Fernanda que esperasse um pouco, queria passar por um processo de digestão da situação. Não seria hipócrita de dizer: ‘Minha filha, uhu. Sempre quis’, mas aconteceu e no meu aprendizado coloquei mais um ponto: vou aprender a ser pai hoje, amanhã e sempre”, disse.

Ainda na sua participação no matinal da Globo, Maurício lembrou como a apresentadora do Esporte Espetacular abordou a questão em casa. “Ela ficou muito angustiada para me contar e, por força das facilidades tecnológicas, me contou por mensagem, um dia, à noite. Foi muito surpreendente. Minha opinião é que a Justiça não existe para arbitrar sentimentos e muito menos a medicina para tratá-los”, finalizou.

 


DEIXE UMA RESPOSTA