Jovens iniciam vida sexual aos 13 anos e sem proteção, revela pesquisa

Camisinha
Camisinha (Foto: Reprodução/Internet)

Novos detalhes da pesquisa Mosaico 2.0, realizada pela psiquiatra e professora de Medicina da USP, Camila Abdo foram divulgados, e o resultado é mega preocupante em relação a iniciação da vida sexual entre os adolescentes.

O estudo, que também revelou o uso menor de preservativos por lésbicas, apontou que os jovens costumam ter suas primeiras experiências sexuais cada vez mais cedo, a partir dos 13 anos em média, e o pior: a maioria não tem o costume de utilizar proteção durante a transa.

O levantamento entrevistou cerca de 3 mil pessoas através de um formulário disponível pela internet, e chegaram ao resultado de que um terço dos entrevistados na faixa dos 18 a 80 anos, também não priorizam a camisinha no ato do sexo.


Leia Mais:

Número de mortes a LGBTs em 2017 já é o maior registrado

Prefeitura do Rio aposta em Parada LGBT para melhorar economia da cidade

Abdo acredita que o motivo para a despreocupação em relação ao uso da camisinha seria o avanço da medicina, que hoje em dia, consegue oferecer tratamentos que fazem os portadores de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s) viver tranquilamente.

Para ela ainda existe a necessidade de investir em campanhas ara educar os mais novos, que apesar da informação ainda não sabem a importância da prevenção. Apesar dos avanços, ainda não é fácil viver com algumas infecções como o vírus HIV.


DEIXE UMA RESPOSTA