Jean Wyllys dispara contra decisão que trata homossexualidade como doença: “aberração”

Deputado Federal Jean Wyllys
Deputado Federal Jean Wyllys (Foto: Reprodução)

Único deputado federal assumidamente gay do Congresso Nacional, Jean Wyllys (PSOL-RJ) chamou a decisão judicial que autoriza profissionais da área a oferecerem terapias de reversão sexual de “aberração legal e científica”. O parlamentar também promete ir junto com o Conselho Federal de Psicologia (CFP), que entrará com recurso da liminar.

“Por um lado, ela (a decisão) viola a Constituição Federal e diversos tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário. Por outro lado, significa uma intromissão indevida nas decisões do CFP. É como se um juiz tentasse “derrogar” a lei da gravidade ou decidir que a Terra é plana, ou ordenar aos médicos que passem a tratar o câncer com suco de limão e não com quimioterapia ou radioterapia.”, comparou.

Leia Mais: 


Pabllo Vittar e outros famosos criticam liminar do STF: “Não somos doentes”

Retrocesso: Justiça permite psicólogos a tratar homossexualidade como doença

Wyllys ainda informou que irá promover uma mobilização do parlamento para recorrer da decisão, assinada pelo juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, a pedido da psicóloga Rozângela Alves Justino, que alegava junto a outros profissionais favoráveis a práticas de reversão sexual, que a resolução que proibia este tipo de terapias, uma restrição a liberdade científica.

De acordo com Wyllys, Rozângela faz parte da bancada evangélica, grupo do congresso que, segundo ele, persegue os direitos dos LGBTs. “Eles [da bancada evangélica] estão apelando ao Judiciário”, concluiu.

 


7 COMENTÁRIOS

  1. Se respeitam a liberdade tanto quanto parece, então devem deixar que aqueles que procuram um tratamento que se tratem com quem ou onde quiserem. Onde está a democracia que tanto defende Jean Wyllys do grelo duro? …. ah não… é homem rsrsrs

  2. Apenas refletindo: Se uma pessoa sente atração por outras do mesmo sexo, mas considera que isso está errado. Tem as suas razões, não o julguemos. O que essa pessoa deve fazer? O CFP somente permite que a pessoa utilize o tratamento psicológico para se aceitar como homossexual, mas não permite que a pessoa que quer deixar de sê-lo seja orientada para isso. Quer dizer que é tranquilo quando a pessoa nasce homem, mas quer ser mulher, ou vice-versa (alterando o sexo, até mesmo com alterações estruturais no seu corpo). Mas se nasce homo e quer virar hetero, não pode. Estranho.

DEIXE UMA RESPOSTA