Artistas se despedem de Rogéria em velório no Rio

Corpo de Rogéria é velado no Rio
Corpo de Rogéria é velado no Rio (Foto: Reprodução/G1)

O corpo da atriz e travesti Rogéria foi velado na tarde desta quarta-feira (06), no teatro João Caetano, centro do Rio de Janeiro. A Comoção tomou conta do ambiente que ficou perfumado com o aroma borrifado no ar e purpurina para saudar uma das travestis mais amadas do Brasil.

Diretora do filme-documentário Divinas Divas, no qual Rogéria participou, Leandra Leal destacou, em entrevista ao jornal O Tempo, o aprendizado que recebeu com a atriz. “Sou muito grata a ela por tudo o que aprendi, por todos os ensinamentos, por ela ter compartilhado sua memória, sua experiência, sua vida. Foi muito importante para a minha formação. Meu filme foi um filme de fã, de admiradora. Ela abriu as portas para uma geração, desde sempre foi vanguarda, revolucionária e acho que é uma grande perda.”

Alexandro Haddad, empresário da atriz, desabafou sobre os últimos momentos que passou ao lado da cliente e grande amiga. “Rogéria era de uma índole, de uma educação, venceu tantas coisas. Foram dois meses de sofrimento, cada hora uma coisa. Nós vendemos alegria, e ver Rogéria sofrer não era justo. Mas ela tinha fé”, lembrou ele.


Amiga da família, a atriz Gloria Pires também lamentou a perda. “Ela foi amiga do meu pai (o ator e humorista Antônio Carlos Pires). Rogéria era muito corajosa. Pela maneira de ela ser, rompeu barreiras impensáveis para a época, mas sempre de maneira tão correta, tão inteira, tão forte. Vai fazer muita falta”.

Leia Mais:

Meme transforma Kim Jong Un em gay como pretexto para bombardear Congresso Nacional

PM gay denuncia ataques homofóbicos em batalhão: “Torturas físicas e psicológicas”

A cantora Jane Di Castro, que também integra o elenco de Divinas Divas, recordou lembranças da amiga. “Vai embora uma estrela, uma amiga. Nós nos conhecemos quando eu tinha 15 anos, nunca nos separamos. Vivíamos entre tapas e beijos, como irmãs. Vivemos noites gloriosas. Nosso comportamento já era político. Hoje perdemos parte da história”, lamentou.

Aos 74 anos, Rogéria morreu na noite da última segunda-feira (04), após dar entrada mais uma vez em um hospital no bairro da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro para tratar uma infecção urinária. A famosa já tinha sido internada em julho para tratar o mesmo problema.

Nascida em 1943, Rogéria foi maquiadora na extinta TV Rio, e logo se tornou um ícone da comunidade LGBT ao atuar como jurada em vários programas de auditório como os de Chacrinha. Um dos seus últimos trabalhos na TV foi na novela Babilônia, da TV Globo.


DEIXE UMA RESPOSTA