Treinadora da NFL, Katie Sowers, se assume lésbica

Katie Sowers
Katie Sowers (Foto: Reprodução/Instagram)

A técnica assistente do NFL, uma das maiores ligas de futebol americano do mundo, Katie Sowers decidiu assumir sua homossexualidade durante uma entrevista publicada nesta terça-feira (22) ao site OutSports.com.

Segunda mulher a ser contratada como treinadora em tempo integral na liga, ela revelou que há outras pessoas LGBTs na NFL, mas que não se sentem confortáveis de tornar a sua sexualidade pública. “Não importa o que você faz na vida, uma das coisas mais importantes é ser fiel a quem você é. Há muitas pessoas que se identificam como LGBT na NFL, como em qualquer negócio, mas que não se sentem confortáveis publicamente sobre sua orientação sexual”, afirmou.

Sowers aponta, porém, que o ambiente de trabalho não contribui para que estas pessoas tornem o fato externo. “Quanto mais pudermos criar um ambiente que acolha todos os tipos de pessoas, independentemente de sua raça, gênero, orientação sexual, religião, mais poderemos ajudar a aliviar a dor e o peso que muitos carregam todos os dias”, opinou.


Leia Mais:

Secretária de Estado portuguesa, Graça Fonseca, se assume lésbica em entrevista

Ricky Martin revela dificuldades para viver gay em American Crime Story

Ainda na entrevista, a treinadora contou que se assumiu lésbica para a família quando ainda estava na faculdade, e que o futebol americano era o seu desejo dese criança, mas lamenta não ter tido uma figura feminina que servisse de espelho para ela na infância. “Eu tenho uma forte crença de que quanto mais pudermos expor as crianças a uma variedade de diferentes oportunidades na vida, melhor chance elas têm de encontrar a verdadeira vocação”, observou a assistente dos Niners.

“Eu amaria ver mulheres nesta função quando eu estava crescendo porque acho que teria me permitido correr atrás da minha paixão até antes. Se você não consegue ver algo acontecer, algumas vezes é difícil acreditar que é possível. Nós não sabemos o que não sabemos, e não sabia que o futebol americano era mesmo uma possibilidade para as mulheres”

 


DEIXE UMA RESPOSTA