Supremo Tribunal de Israel se mostra a favor de barriga de aluguel para casais gays

Lei da barriga de aluguel em Israel pode ser ampliada para casais gays
Lei da barriga de aluguel em Israel pode ser ampliada para casais gays (Foto: Reprodução/Internet)

O Supremo Tribunal de Israel se mostrou a favor do direito da barriga de aluguel para casais gays. A decisão final sobre o assunto foi adiada para daqui a seis meses, mas os ativistas estão esperançosos que a lei atual, que só garante esse direito para casais heterossexuais, seja alterada.

Salim Jubran, vice-presidente do Supremo, falou sobre a situação com casais homossexuais, mulheres solteiras e organizações militantes, que haviam levado a questão a ele. Segundo a AFP, Jubran teria dito que estava na hora de “ampliar o acesso à maternidade por substituição em Israel a outros grupos familiares”.

Veja também:


Associação nacional de travestis e transexuais critica A Força do Querer

Clipe de Ivete Sangalo com Wesley Safadão bate 500 mil visualizações; assista

“Me parece difícil continuar em uma situação que impede que as pessoas solteiras e os casais homossexuais tenham acesso ao seu direito de ser pais”, declarou o vice-presidente. “Eu mesmo não vejo justiça no fato de preferir pais heterossexuais a pais do mesmo sexo”. Sua declaração aconteceu no mesmo dia em que Jerusalém recebia milhares de pessoas para a Parada LGBT local, sob fortes medidas de segurança.
Jubran adiou a decisão final do Tribunal em seis meses, para dar tempo ao Parlamento que elabore e apresente um texto sobre o assunto para os deputados. O texto atual sobre barrigas de aluguel permite mães solteiras, mas apenas se a portadora estiver vinculada geneticamente à mãe. O novo texto deverá passar por segunda e terceira leitura até a decisão do Supremo.

DEIXE UMA RESPOSTA