Procurando Nemo estava errado: Marlin deveria ser Marlene

Um estudo de universidades francesas garantem: o pai de Nemo tinha que ter se tornado fêmea (FOTO: Divulgação /Disney)
Um estudo científico francês garante: o pai de Nemo tinha que ter se tornado fêmea (FOTO: Divulgação /Disney)

Estudos franceses divulgados nesta semana em uma matéria do Daily Mail garantem que há um BAITA erro científico no roteiro do filme Procurando Nemo: o pai do peixinho na verdade deveria ter se tornado uma fêmea. EXPLICO: acadêmicos da Universidade de Exeter estudaram por anos os detalhes físicos dos peixes-palhaço — a espécie de Nemo e de seus pais — uma raça em que os machos apresentam transformações hormonais quando são abandonados pelas fêmeas. Caso, as fêmeas morram, os machos passam por uma fase de transformação que dura várias semanas para no final do processo, mudarem de sexo e assumirem o comportamento das fêmeas.

“Quando a fêmea é comida por predadores ou morre, o macho, neste caso o pai de Nemo, muda de sexo e torna-se uma fêmea reprodutora. Ou seja, quando Nemo volta pra casa no final do filme, ele deveria encontrar-se com sua mãe”, afirma Suzanne Mills, bióloga na École Pratique des Hautes Etudes em Criobe.

VEJA TAMBÉM: Os dez estágios do sexo anal contados por desenhos animados

Portanto, Marlin, o peixe-palhaço e pai de Nemo deveria ter trocado de pronome uma vez que Coral, a mãe de Nemo morre na história. Ele, Marlin, deveria ter se transformado nela, Marlene, garantem os estudiosos. Seria o primeiro caso de um peixinho trans na história do cinema mundial né?


DEIXE UMA RESPOSTA