Livro mostra história das travestis de Fortaleza nos anos 1980

Livro resgata história de travestis em Fortaleza
Livro resgata história de travestis em Fortaleza (Foto: Divulgação)

O historiador Elias Ferreira Veras lançou o livro Travestis: Carne, Tinta e Papel no último mês. A obra conta a história de diversas travestis que viveram em Fortaleza, no Ceará, na década de 1980, e de como elas se tornaram percussoras do movimento T na cidade.

Vera escreveu o livro com base na pesquisa que havia feito na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Além de perfilar diversas participantes, o historiador também coletou recortes de revistas e outros materiais da mídia na época, para mostrar a maneira como as travestis eram retratadas então.

Leia Mais:


Travesti é encontrada morta em pátio de supermercado no Mato Grosso

Polícia do Vaticano flagra orgia gay em apartamento do secretário do Papa

Os tantos transtornos que aparecem na vida das travestis são contados a partir das memórias de pessoas como Bianca, Rogéria Chacrete e Thina Rodrigues. Thina, inclusive, é agora presidente da Associação de Travestis do Ceará (Atrac), e se mostrou feliz com a retratação: “É bom saber que tem gente preocupada em cotar essa história esquecida da gente”, contou, em entrevista para O Povo.

Thina demonstra um medo de que o legado das travestis seja afeta pelo discurso higienizador atual (de que todo mundo deve ser visto como trans), mas reconhece a melhora em alguns aspectos desde os anos 80. O próprio autor do livro considera que as mudanças vem sendo positivas, ainda que lentas: “Na década de 80, elas não apareciam na mídia com direito à fala. Hoje, apesar dos programas policiais ainda tentarem ridicularizá-las, teve uma transformação e a representação da travesti é mais plural”. O livro pode ser adquirido aqui


DEIXE UMA RESPOSTA