Igreja na Bahia é investigada, após placa que incita ódio contra gays

Igreja evangélica na Bahia é investigada pelo MP após pendurar placa homofóbica em sua porta
Igreja evangélica na Bahia é investigada pelo MP após pendurar placa homofóbica em sua porta (Foto: Reprodução/Internet)

Uma igreja evangélica, localizada no Porto Sauípe, na cidade de Entre Rios, litoral da Bahia, está sendo investigada por incentivar o ódio. Em sua porta, foi pendurada uma placa com uma passagem bíblica que incita a violência contra homens gays.

A placa cita o livro Levítico, da bíblia: “Se hum homem tiver relacionamento com outro homem, os dois deverão ser mortos por causa desse ato nojento; Eles serão responsáveis pela sua própria morte”. A igreja é chamada de Templo Batista Bíblico Salém, e está sendo investigada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), para decidir se será aberto inquérito policial por incitação ao crime.

Leia Mais:


Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirma ser contra casamento gay: “afronta a igreja”

“Se seus pais não te aceitam como drag, você precisa de novos pais”, dispara mini drag Lactacia de 8 anos

Além desta placa, também há outra na frente da igreja com os dizeres  “Você é livre para fazer suas escolhas, mas não é livre para escolher as consequências”, o que pode ser indicado como ameaça. A ação deixou os moradores LGBT da região assustados; um deles, jovem gay que pediu para não ser identificado, tem medo do que pode acontecer: “Quem escreve uma frase dessas e coloca na porta de uma igreja é capaz de fazer qualquer coisa”, afirmou.

O caso foi denunciado e está sendo acompanhado pelo Centro de Apoio aos Direitos Humanos do Ministério Público da Bahia. A promotora Márcia Teixeira afirma que “a liberdade religiosa não autoriza ninguém a fazer apologia ao crime”. Já o pastor Milton Santos, que comanda o templo, declarou que “a intenção da publicidade não é incentivar agressões aos homossexuais, mas sim demonstrar a insatisfação de Deus com a vida que estas pessoas ‘escolheram’ (sic)”.


DEIXE UMA RESPOSTA