Câmara dos Deputados apoia a despatologização da transsexualidade

Câmara votou despatologização da transsexualidade
Câmara votou despatologização da transsexualidade (Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados)

A Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) apoiou, na última quarta-feira (27), a despatologização da transsexualidade. Ou seja, o fim do reconhecimento de identidades trans como transtornos mentais, como recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS). A votação da proposta coincidiu com o Dia Internacional do Orgulho LGBT, 28 de junho, de forma simbólica.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) e o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) foram responsáveis por liderar a moção. A ação pedia pela transsexualidade deixar de ser vista como uma enfermidade quando ocorrer a revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID), que será feita pela OMS em 2018.

Leia Mais:


T. Brant entra em A Força do Querer para ajudar personagem trans

Estudante denuncia professor que classificou “homossexualismo” como perversão

A comissão aprovou a recomendação por ampla maioria. Segundo Erika, a importância da despatologização vem do fato de desmistificar que pessoas trans possam ser “curadas” ou “convertidas”. Wyllys lembrou que a mudança não retirará das pessoas trans o direito à serviços como hormonoterapia ou cirurgias em serviços de saúde pública.

A transsexualidade está classificada, até hoje, como uma doença mental na OMS e na Associação de Psiquiatria dos Estados Unidos (APA). Entretanto, a discussão perdura vários anos, e desde 2012 há algo em torno de 30 países que lutam para alterar essa classificação.


DEIXE UMA RESPOSTA