Aumentam os casos de resistência ao vírus HIV

Relatório da OMS indica que cresce a resistência do vírus HIV aos medicamentos de tratamento (IMAGEM: HIV Dating Sites)
Relatório da OMS indica que cresce a resistência do vírus HIV aos medicamentos de tratamento (IMAGEM: HIV Dating Sites)

A Organização Mundial da Saúde afirmou nesta quinta-feira (20) que o vírus HIV vem apresentando resistência aos medicamentos oferecidos nos tratamentos atuais. Segundo informações da OMS, uma pesquisa realizada em diversos países do mundo apresentou números alarmantes, já que a resistência ao vírus pode significar um retrocesso no combate mundial à doença.

As informações, baseadas em pesquisas feitas em diferentes países, apontam que em 6 dos 11 países pesquisados na África, Ásia e América Latina, mais de 10% das pessoas que começaram o tratamento antirretroviral tinham uma nova forma do vírus resistente a alguma das drogas anti-HIV mais utilizadas. Os países são: Guatemala, Nicarágua, Namíbia, Uganda, Zimbábue e Argentina.

“A resistência aos medicamentos é um desafio crescente para a saúde global e o desenvolvimento sustentável”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Precisamos abordar de forma proativa os níveis crescentes de resistência aos medicamentos contra o vírus, se quisermos atingir o objetivo global de acabar com a Aids até 2030”, acrescentou.


LEIA TAMBÉM: Número de casos de AIDS cresce no Brasil

A resistência aos medicamentos contra o vírus HIV acontece quando as pessoas não seguem um plano por escrito do tratamento, muitas vezes por não terem acesso ao tratamento e aos cuidados contra a doença. Segundo o relatório da OMS, as pessoas com resistência aos medicamentos começarão a apresentar falhas durante o tratamento e poderão transmitir os vírus resistentes para outras pessoas.

A OMS pretende encaminhar especialistas para ajudar os países no combate à resistência dos medicamentos contra o vírus HIV. As medidas incluem também uma monitoração na qualidade dos programas de tratamento oferecidos pelos países, além de ações de urgência caso falhas nos tratamentos sejam verificadas.

FONTE: UOL


DEIXE UMA RESPOSTA