Justiça proíbe mãe que internou filha trans à força de se aproximar dela

Mãe deve ficar afastada a filha trans em um raio de 500 metros
Mãe deve ficar afastada a filha em um raio de 500 metros (Foto: Reprodução/Internet)

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro e o juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de São Gonçalo, região metropolitana do estado decidiram que uma mãe seja proibida de se aproximar de sua filha, após interná-la em uma clínica psiquiatria pela moça se identificar como uma mulher trans.

A moça conseguiu reverter a situação favorável a ela, após entrar com medidas protetivas previstas pela Lei Maria da Penha. A sentença assegura que a mãe se mantenha afastada da filha dentro e um raio de 500 metros, além de determinar a apreensão de todos os objetos pessoais da mulher em posse da genitora.

Leia Mais:


Jovem gay é brutalmente assassinado a caminho da escola no Maranhão

Câmara de Madrid vai instalar semáforos com símbolo de casais homoafetivos

A defensora de São Gonçalo, Flávia Nascimento alega que houve agressão contra a vítima, no dia 20 de maio. O ataque, foi confirmado a Rede de Atendimento a Mulheres em situação de violência, que também esteve envolvido nas investigações. A identidade dos envolvidas se mantém preservada.

Para o juiz que deu o veredicto, o comportamento agressivo da culpada favoreceu para que o fato fosse enquadrado na Lei Maria da Penha. “A Lei Maria da Penha cuidou da violência baseada no gênero e não vemos qualquer impossibilidade de que o sujeito ativo do crime possa ser uma mulher. Isso porque a cultura machista e patriarcal se estruturou de tal forma e com tamanho poder de dominação que suas ideias foram naturalizadas na sociedade, inclusive por mulheres”, afirmou.


DEIXE UMA RESPOSTA